Spanish English French German Italian Portuguese Russian

Forest Biomass Generation in Degraded, Steep, Outcropped Ecosystems

A company in Uruguay is successfully using specially adapted bulldozers and the application of hydrated polymers to protect tree seedlings and develop plantations on marginal lands.

 

In Uruguay, about half of the land is considered priority soils (those allowed by the state to be forested), this means about 1.5 million hectares (3.7 million acres) are hilly areas with shallow soils, frequent outcropping and steep fields. Most of these soils were degraded by sheep overgrazing for more than a century. Many of these areas remain unplanted because of traditional plantation technology, which is based on rubber-tired tractors that cannot be used in such crude conditions. 

 

Most of these types of soils are in the Eastern and Northeastern regions of the country. The price of forestlands there is the most suitable for forest investments, taking into account that it takes a long time for investments to pay off in the saw timber industry. Using the technology described in this article, more than 2,500 hectares were successfully planted in northeast Uruguay (Treinta y Tres and Cerro Largo Departments) in the worst topographic conditions in the country. 

 

This technology is based on the use of bulldozers for ripping and plantation bed preparation, and also utilizing specially adapted bulldozers to apply hydrated polymers at planting time. These polymers protect the seedlings from a lack of water and at the same time provide nitrogen, potassium and a root promotion hormone. 

 

Servicios Forestales Integrales is a well-known Uruguayan company with broad experience in forest ripping and planting, having been involved in the forest generation of more than 50,000 hectares in the past 10 years. In 2007, through a joint venture with Tubron SA, a major chemical company in Argentina, SFI produced a new plantation system mixing bulldozer forest ripping and applying a super-absorbent acrylic polymer in the hole where the trees are planted. The polymer has chemical activity providing for the controlled release of nitrogen, phosphorus and potassium fertilizers and a rooting hormone, which gave the trees a good start, even in the worst drought conditions. 

 

After a successful set of trials, SFI planted about 2,500 hectares of Eucalyptus grandis, E. saligna and E. dunnii in the hilly regions of Northeast Uruguay. 

 

Although these plantations were developed for saw timber production (long rotations of 20 years), based on initial growth and national forest inventory data (conservative, as we expect from 20 to 30 solid cubic meters per hectare per year), SFI concluded that this new plantation technology could be valid for dendroenergetic forest crops in these degraded and marginal soils. 

 

This type of project contributes greatly to local and national forest development because it increases the production of degraded soils, helps soils recover and creates jobs in one of the less developed zones of Uruguay (1 inhabitant per 15 square kilometers or 6 square miles). 

 

 

Silviculture Development Summary 

 

Silviculture development is basically an adaptation of the hydrated polymer and ripping shallow soil in hilly areas. Starting with conventional weed control, a bulldozer deep ripping using Caterpillar D6 and D8 machines, depending on how rough the conditions are, is applied with opposite discs that allow for plantation bed preparation. If field conditions permit it, the rubber wheels transit would be advisable for common bed preparation. 

 

The greatest benefit of this adaptation is the use of the polymer hydrated mix, with or without the chemical action (nitrogen, phosphorus and potassium fertilizers and rooting hormone). This balance will depend on the soil's texture, water-holding capacity and its chemical fertility. 

 

It's worth noting, that these hydrated polymer mixes function as effective starter fertilizers and aren't dependent on rainfall like common granulated fertilizers for soil dilution, where it can be taken up by the eucalyptus roots. The nitrogen, phosphorus and potassium, and rooting hormone with the electronic matrix of the polymer is control released into the water supply from the beginning when the root system is planted within the gel. In addition, the polymer works as a control-released fertilizer, which means that no fertilizer is wasted and it can be applied at the rate of 2 to 3 grams per seeding, instead of the conventional 80 to 150 grams of mineral granulated fertilizer. This saves the renewable resources of potassium and phosphorus and avoids groundwater pollution of the nitrogen. 

 

 

Bioenergy Possibilities 

 

Power consumption in Uruguay has been increasing annually at a rate of 50 megawatts per year (Dirección National de Energía y Tecnología Nuclear, MIE, 2007). As hydro sources are still in the development stage and nuclear is prohibited by law, this increase in consumption is being fulfilled by neighboring countries. Both options are costly and not environmentally friendly. So, the Uruguayan state is promoting energy generation using renewable sources, mainly wind and biomass, supporting that with long-term fixed-price contracts and priority in the grid dispatch. 

 

Energy generation by dendroenergy plantations within many areas of Uruguay has the following advantages: 

 

Middle- and high-voltage lines near the forest soils 

 

Land permit prices conducive to forest investments 

 

Presence of permanent and abundant water resources 

 

Good forest sites 

 

Ample wood production using fast-growing species 

 

SFI estimated that 2,000 acres of Eucalyptus grandis, E. dunnii or E. maidennii planted in a 10-year rotation could fully supply a 10-megawatt power plant. 

 

Although pellet production in Uruguay is almost nonexistent, several feasibility studies demonstrate its potential profitability and contribution to the sustainable development of the country. For instance, feasibility studies conducted by the engineering faculty at State University show that a 10,000 ton per month pellet mill would have an installation cost of about $13 million. Estimating the cost, insurance and freight via the Rotterdam pellet price of about 120 Euros ($169), the calculated internal rate of return was 37 percent, with a repayment investment of three to four years (Borsellino, Carrau and Maisonnave, 2007). 

 

The new development described earlier, promotes better use of forest land with severe outcropping and slopes. With conventional planting techniques (based on rubber-tired tractors) these areas could not be planted and would be only suitable for grazing cattle and sheep. There are hundreds of thousands of hectares of this land in Lavalleja, Treinta y Tres, Cerro Largo Rocha and Maldonado departments. 

 

Planting costs, using the proposed technology, don't differ much from the conventional method. The increase in the cost of the polymer and the bulldozer application are compensated by savings in the disking and manual fertilizer application. More importantly, the forest company using this technology could plant in hilly areas with no significant economical or ecological value. 

 

The use of mixing polymers protects the seedlings against drought for about 20 to 30 days, and if conditions don't improve a single watering with about 2 to 3 liters (0.5 to 0.8 gallons) per seeding could assure full polymer recharging. The same recharging would also occur with about 10 millimeters (0.4 inches) of rain. 

 

This will permit the use of marginal and degraded soils for different forest uses, including dendroenergy and other biomass applications, which depending on the situation could offer high profitability for the investor and a source of sustainable development for Uruguay. 

 

The use of the hydrated polymer and the addition of fertilizers and root hormones in its composition, allows for a fast start even in dry conditions. Furthermore, there is field evidence that this treatment permits the seedlings to recover better from frost damage in the winter. 

 

Pablo Reali

Todeschini vai investir R$ 280 milhões em nova fábrica de MDP

Segundo o presidente da empresa, João Farina Neto, o grupo já trabalha no projeto há pouco mais de um ano.

 

A Todeschini, empresa fabricante gaúcha de móveis planejados, anunciou que planeja até 2017 investir R$ 280 milhões para construir uma unidade própria de beneficiamento de madeira.

 

O projeto é estudado para ser implantado em Cachoeira do Sul (RS), onde a Todeschini possui a maior parte de suas florestas. A definição, porém, ainda depende de uma solução para o abastecimento de energia elétrica, já que a área escolhida, localizada às margens da BR-290, não possuiria rede.

 

Segundo o presidente da empresa, João Farina Neto, o grupo já trabalha no projeto há pouco mais de um ano. A implantação, porém, segue esbarrando no seu principal gargalo, que é a obtenção dos 10 MW necessários para a operação da unidade. “Há uma única rede que passa próximo à unidade em Cachoeira não depende das distribuidoras do estado, e sim da Aneel em Brasília”, explica.

 

A fábrica ocuparia 30 hectares, boa parte deles já pertencentes à Todeschini, que mantém uma serraria ao lado do local. A expectativa é de que a planta gere cerca de 400 empregos diretos e indiretos.

 

Com a unidade o grupo irá se tornar autônomo no abastecimento de MDP – chapas de fibra de madeira de média densidade. A produção será alimentada, principalmente, pelos 14 mil hectares em florestas próprias da empresa, localizadas em Cachoeira do Sul e em Encruzilhada do Sul, dos quais 9,5 mil hectares entre pinus e eucalipto se encontram em ponto de corte.

 

Jornal do Comercio

Projeto BIOMAS: Nova área de referência no Pampa facilita comparativos.

Há 600 km de Porto Alegre, quase fronteira com o Uruguai, a equipe de pesquisadores do Projeto Biomas escolheu uma segunda área de referência para suas pesquisas, mais especificamente na estancia Poncho Verde. Essa nova área tem uma característica muito peculiar. Mesmo fazendo parte da mesma geologia em que se encontra a outra área referência (formação Teresina), onde os solos possuem elevada fertilidade, nesta, os solos são mais pobres.  A área está há 50 km da primeira e o que chamou a atenção do grupo, especialmente ao Dr. Leonardo Debler, professor da UNIPAMPA, foi a presença de pastagens com maior riqueza (maior diversidade).  “Isso é muito interessante e deve ser investigado com maior rigor”, afirma Dr. Gustavo Curcio, coordenador do Projeto.

 

Assim como no estudo anterior, efetuado na propriedade referência de número um, foram coletadas amostras de solos com o objetivo de obter informações de ordem química, granulométrica e físico-hídrica. Após várias prospecções, foram efetuados vários perfis de solos, situados desde o topo da encosta até a planície. Para surpresa do grupo, o solo da planície revelou expressiva contribuição de sedimentos (mais de um metro de espessura), soterrando o solo original daquela área. “Essa situação, infelizmente, evidencia o mau uso da terra, o que acarretou em processos de erosão no passado, fato comum no país”, conclui o pesquisador.

 

Esta condição é muito relevante e deve ser debatida com profundidade por técnicos e agricultores. Somente desta forma se conseguirá alterar formas de uso inadequados, concretizando, o quanto antes, sistemas de produção mais sustentáveis.

 

A consultora do projeto Biomas, Dra. Michele Ramos, diz que o trabalho nessa área requer uma nova força tarefa. Através das pesquisas efetuadas nesta fase foi possível identificar variações importantes ao longo dos solos que constituem a encosta, sobretudo em suas espessuras, o que proporcionou a maior suscetibilidade à erosão no passado. O material coletado será analisado nos laboratórios da Embrapa e os resultados discutidos com os produtores da região. ”Em 15 dias as análises físico-hídricas estarão prontas, já as análises químicas demorarão em torno de 30 dias. Determinaremos, por exemplo, as densidades dos diferentes tipos de solos e respectivos percentuais de porosidade, além de termos uma boa noção das características químicas destes solos. “Estamos buscando estabelecer sistemas de produção com maior equilíbrio social, econômico e ambiental. Isso é sustentabilidade”, conclui o Coordenador Nacional do Projeto Biomas pela Embrapa, Gustavo Curcio.

 

Sobre o Projeto Biomas

O projeto Biomas, fruto de uma parceria entre a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), é uma iniciativa inédita no Brasil e tem como objetivo identificar formas sustentáveis para viabilizar a propriedade rural brasileira considerando o componente arbóreo em seus sistemas propostos. Os estudos estão sendo desenvolvidos nos seis biomas brasileiros. O Projeto Biomas tem o apoio do SEBRAE, Monsanto, John Deere e Vale Fertilizantes.

 

Embrapa

Brasil contém desmatamento, mas degradação florestal é preocupante

 

O monitoramento do problema é importante para o Brasil definir estratégias de promoção de aumento de cobertura vegetal

 

O Brasil avançou muito nos últimos 25 anos no monitoramento do desmatamento da Floresta Amazônica por meio de ações como a implementação do Programa de Cálculo do Deflorestamento da Amazônia (Prodes), em 1988, e do Sistema de Detecção do Desmatamento em Tempo Real (Deter), em 2004 – ambos do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).

 

Agora, precisa olhar com mais atenção para outro problema ambiental tão grave quanto o desmatamento: a degradação florestal, que afeta não só a Amazônia, mas também outros biomas brasileiros.

 

A avaliação foi feita por um grupo de pesquisadores de instituições como Inpe, Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), Nasa (a agência espacial dos Estados Unidos), Instituto Max Planck (na Alemanha) e Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC) durante o Workshop on Monitoring Forest Dynamics: carbon stocks, greenhouse gas fluxes and biodiversity, realizado entre os dias 2 e 4 de setembro na Universidade de Brasília (UnB).

 

“Precisamos interpretar os dados do desmatamento na Amazônia, mas também olhar para outros processos da dinâmica florestal como a degradação florestal, que também tem impactos nas funções ecológicas, no armazenamento de carbono e na conservação da biodiversidade”, disse Mercedes Bustamante, professora do Departamento de Ecologia da UnB e organizadora do evento.

 

De acordo com os participantes do encontro, a degradação florestal difere do desmatamento, que se caracteriza pelo corte raso de árvores que resulta na alteração significativa da paisagem da Amazônia brasileira, quando parcelas da floresta são convertidas em áreas de pastagem.

 

Já a degradação é definida pela perda da capacidade da floresta de realizar suas funções originais, como contribuir para o balanço climático, hídrico e de carbono, em razão do corte seletivo de árvores de interesse comercial e de queimadas intencionais, entre outros fatores.

 

“A degradação fica em uma posição intermediária entre a floresta intacta e a que foi transformada em área de pastagem. É uma floresta que ainda não foi desmatada completamente”, resumiu Michael Keller, cientista do US Forest Service dos Estados Unidos e pesquisador visitante da Embrapa Monitoramento por Satélite.

 

“Uma floresta degradada já não possui o mesmo estoque de carbono e a biodiversidade que tinha antes de ser afetada, mas, se for feito um manejo bem feito no prazo de 20 a 30 anos, ela pode se regenerar e até mesmo se aproximar de suas características originais”, explicou.

 

Outra diferença significativa entre os dois processos, segundo os pesquisadores, é que o desmatamento é mais evidente e inequívoco e pode ser observado mais facilmente pelos satélites usados no monitoramento ambiental.

 

A degradação, por sua vez, é mais sutil. Trata-se de um processo de longo prazo e deve ser acompanhada continuamente para que suas causas sejam identificadas.

 

“É preciso o acompanhamento de longo prazo não só das mudanças na cobertura da floresta, mas dos processos que causam essas alterações ambientais”, disse Bustamante.

 

“Sem isso, não é possível estimar qual será a trajetória das florestas degradadas e comparar com informações de estudos em campo para avaliar se vão se regenerar, se ganharão ou perderão carbono ou se podem evoluir para o desmatamento”, disse.

 

Degradação da Amazônia

 

No fim de agosto, o Inpe divulgou pela primeira vez o mapeamento de áreas de degradação florestal na Amazônia Legal nos anos de 2011, 2012 e 2013, feito pelo projeto Mapeamento da Degradação Florestal na Amazônia Brasileira (Degrad).

 

O objetivo da iniciativa é identificar, por meio de imagens de satélite, as áreas expostas à degradação florestal progressiva pela exploração seletiva de madeira, com ou sem uso de fogo, mas que ainda não sofreram o corte raso.

 

Os dados do levantamento apontam que a taxa de degradação na região nesses três anos foi a menor registrada desde o início da série histórica do projeto, em 2007, e acompanha a tendência de queda de desmatamento por corte raso na floresta verificada pelo Prodes após 2005.

 

“É preciso investir em um sistema de monitoramento em escala nacional que abranja e leve em conta as particularidades dos diferentes biomas brasileiros que também possuem tanta relevância na regulação do clima, conservação da biodiversidade e diversas funções ecossistêmicas como a Amazônia”, afirmou Bustamante.

 

É mais fácil monitorar e identificar a degradação da Amazônia em comparação com outros biomas brasileiros, porque ela tem uma vegetação mais fechada e, por isso, as clareiras provocadas por derrubada de árvores, por exemplo, podem ser notadas mais facilmente.

 

Já o Cerrado tem vegetação mais aberta, com maior sazonalidade de árvores, arbustos e gramíneas, dificultando a identificação das áreas degradadas.

 

“A grande ênfase no monitoramento de degradação florestal no Brasil tem sido na Amazônia, mas a Embrapa está desenvolvendo, em parceria com o Inpe e a Universidade Federal de Goiás, um sistema de classificação das terras do Cerrado”, contou Keller.

 

O Serviço Florestal Brasileiro (SFB) está avançando no desenvolvimento do Inventário Florestal Nacional do Brasil (IFN-BR), contou Joberto Freitas, pesquisador da instituição, durante palestra no evento. A ideia é que os dados do inventário sejam integrados com os de sensoriamento remoto para monitorar a degradação florestal nos diferentes biomas.

 

“Muitos países, como os Estados Unidos, utilizam sistemas de monitoramento integrado como esse que o Brasil pretende desenvolver e esse é o caminho que o país deve seguir”, avaliou Keller. “O monitoramento da degradação utilizando dados integrados funciona muito melhor do que quando apenas baseado em dados de satélite ou só por meio de inventários de florestas”, afirmou.

 

REDD+

 

Além do controle florestal, o monitoramento da degradação é importante para o Brasil e outros países em desenvolvimento definirem estratégias de promoção de aumento de cobertura vegetal e pedirem compensações financeiras por isso, como previsto pela Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC).

 

O organismo internacional ligado ao IPCC instituiu um mecanismo, denominado REDD+ ou REDD plus, que permite a remuneração de países em desenvolvimento por seus resultados no combate ao desmatamento e à degradação florestal.

 

A questão é que ainda não se sabe de que forma os países poderão comprovar o controle da degradação florestal, uma vez que não há uma linha de base para distinguir as suas causas – que podem ter origem em uma perturbação natural, como um período de seca intensa, ou na ação humana. Além disso, não há uma definição clara de degradação florestal entre os próprios países signatários da UNFCCC.

 

“Do ponto de vista de alguns cientistas e países, a degradação é a perda no longo prazo da capacidade da floresta de continuar exercendo suas funções”, disse Thelma Krug, pesquisadora do Inpe e vice-presidente de uma força-tarefa do IPCC sobre inventários nacionais de gases de efeito estufa. “Por outro lado, há cientistas e países que dizem que, se a função da floresta for recuperada plenamente, isso não seria degradação”, ponderou.

 

Segundo Krug, não há intenção de definir o conceito nas negociações climáticas internacionais para não dificultar o processo. “Se um determinado país não se vir refletido na definição de degradação ou de desmatamento em uma negociação, não é possível obter consenso”.

 

Por: Agência Fapesp

Competitividade da indústria florestal do Brasil é tema de palestra da Pöyry na Dana Rio 2014

 

Jefferson Mendes vai ministrar palestra da Pöyry1ª conferência latino-americana de investimentos agroflorestais no País acontece no dias 25 e 26 deste mês, no Rio de Janeiro.

 

A Pöyry, multinacional finlandesa de consultoria e serviços de engenharia, é patrocinadora do Dana Rio 2014, Conferência Latino-Americana de Investimentos Agroflorestais, que acontece pela primeira vez no Brasil. O evento, que reunirá diversas entidades dos setores agrícolas e florestais, acontece em 25 e 26 deste mês no Sheraton Rio Hotel, com palestras sobre diversos temas ligados diretamente a estes setores.

 

Jefferson Mendes, head da Pöyry Consultoria em Gestão e Negócios, apresentará no dia 25 palestra sobre a competitividade no Brasil, e por que escolher o País para investimentos na indústria florestal, além de apontar diferenças regionais e expectativas de retorno de investimento. Mendes também destacará os riscos para a competitividade, entre eles o aumento expressivo dos custos de madeira no Brasil (que nos últimos 10 anos subiu cerca de 40% acima da inflação), os processos de licenciamento e infraestrutura para exportação ou logística.

 

Dentre os motivos para se escolher o Brasil para este tipo de investimento, o executivo aponta a grande oferta de terras. “Em outros países, há restrições, o que pode tornar o Brasil uma potência florestal, pois temos terra e água”, afirma, ao mencionar que temos ainda muita potencial natural e possibilidade de termos florestas plantadas em larga escala.

 

A Pöyry também estará na edição de Londres do evento, que acontecerá em outubro deste ano, com uma palestra sobre a competitividade na América Latina e as razões para se investir em florestas nesses países.

 

Serviço: Dana Rio - Conferência Latino-Americana de Investimentos Agroflorestais

 

Data: 25 e 26 de agosto

 

Local: Sheraton Rio Hotel - Av, Niemeyer, 121 – Leblon - Rio de Janeiro, Brazil

 

Telefones: 21 2529 1122- Fax: +55 21 2529 1131

 

Sobre a Pöyry

 

A Pöyry é uma empresa multinacional de engenharia e consultoria, dedicada a um modelo de sustentabilidade equilibrada – balanced sustainability – e gestão responsável, que atende, globalmente, a clientes no setor industrial e de energia, e, localmente, a diversos mercados estratégicos.

 

Com atuação focada em qualidade e integridade, realiza consultoria estratégica e serviços de engenharia sustentados por uma vasta experiência e capacidade de implantação de projetos. Atua nos segmentos de energia (geração, transmissão e distribuição), florestal, papel e celulose, químicos e biorrefinaria, mineração e metalurgia, infraestrutura e água.

 

No Brasil, a Pöyry iniciou atividades em 1974, tendo criado a sua subsidiária brasileira em 1999. Nesse período, aumentou o seu escopo de atuação, ingressando ainda mais nas áreas de consultoria e gerenciamento de projetos, além dos serviços de engenharia de fábrica. Atualmente, conta com mais de 600 colaboradores no País e atende mais de 50 clientes, de diversos setores.

 

Globalmente, a empresa possui mais de 6.000 especialistas, além de uma extensa rede de escritórios locais. O faturamento do grupo em 2013 foi de 650 milhões de euros, e as ações da empresa estão cotadas na bolsa NASDAQ OMX Helsinki.

 

Painel Florestal

Crece el área plantada y mejora la productividad de nuevas variedades. Si la forestación uruguaya mantiene el actual crecimiento, en las próximas décadas, los niveles de extracción de madera podrían ...
Read: 144
01.09.2018
2017/05/10. Die Konferenz im Ministerium für Verkehr und öffentliche Arbeiten (MTOP) begann sehr früh. Am Mittwoch Abend 3 Minister rief Víctor Rossi gestern früh -für alle sein technisches Team in ...
Read: 406
05.10.2017
The recent report by CARU (Comisión Administradora del Río Uruguay) confirms that the UPM Fray Bentos mill fulfils the strictest environmental criteria and the operation of the pulp mill does not ...
Read: 351
05.15.2017
A produção florestal no Uruguai, que inclui um milhão de hectares plantados com eucaliptos, gera 25 mil empregos em 1.750 empresas e uma média anual de US$ 1,5 milhão em exportações e 280 milhões de ...
Read: 63
01.10.2018

 

SUSCRIBIRSE AL BOLETIN DE NOTICIAS